segunda-feira, 30 de março de 2015

Resenha: Caixa de Pássaros de Josh Malerman


"Para aqueles que dizem que não há mais ideias originais de histórias de terror, Malerman mostra que há algo novo para contar " - Usa Today

"A prosa de Malerman é convincente, mas o que faz de Caixa de Pássaros um livro memorável é a presença inflexível e absoluta de uma ameaça que não pode ser vista." -  BookPage

Sinopse:
  Romance de estreia de Josh Malerman, Caixa de Pássaros é um Thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas.

Opinião:
  O livro já começa bem interessante e empolgante, pois várias pessoas com uma fúria incontrolável sem motivo aparente começam a matar seus semelhantes muitas vezes até  aleatoriamente e em seguida se suicidam. As matérias dos acontecimentos começam a ser transmitidas pela televisão mas sem muita atenção por parte da população, porém conforme os incidentes aumentam o pânico começa. Com o passar dos dias poucas pessoas estão vivas, e pouco antes dos jornais televisivos encerrarem as transmissões informaram que provavelmente "seres" desconhecidos caminhavam sobre as ruas e o simples fato de algum ser humano olhar para o tal "ser", vinha a loucura e a vontade de matar incontrolável e posteriormente o suicídio. Os sobreviventes não tem escolha a não ser se trancarem dentro da residência e por cortinas em todas as janelas, e quando for necessário sair a céu aberto vendar os olhos.
  Josh Malerman, em sua obra de estréia, tal como Lovecraft, utiliza o medo do desconhecido de uma maneira formidável, tendo como resultado  uma obra muito criativa e inovadora com um fundo apocalíptico. Um terror psicológico arrepiante e convincente a ponto de sentirmos na pele a impotência dos personagens, e a tensão do leitor aumenta por não poder fazer nada para ajudar.
  Caixa de Pássaros foi um livro que eu não queria parar de ler, querendo devorá-lo de uma vez só. O autor alterna a narrativa entre presente e passado, prendendo o leitor com uma escrita simples e fluída. Em relação ao final, ficou algumas pontas soltas de que tenho a impressão que foram deixadas propositalmente por Malerman. Enfim, com certeza indico este livro pra quem procura algo diferente da maioria, e ainda com uma altíssima qualidade.

Minha nota: 10
  

domingo, 29 de março de 2015

Resenha: A Música do Silêncio de Patrick Rothfuss



  " Talvez você não queira comprar este livro. Eu sei, não se espera que um autor diga este tipo de coisa. Mas prefiro ser honesto com você logo de saída. Acho justo avisar que esta é uma história um pouquinho estranha. Não gosto muito de dar spoilers, mas basta dizer que esta aqui é... diferente. Não tem um monte de coisas que se espera de uma história clássica. Por outro lado, se você gosta de palavras e mistérios e segredos, este livro tem muito a lhe oferecer. Se sente curiosidade sobre os subterrâneos e a alquimia. Se deseja conhecer melhor os meandros ocultos do meu mundo... Bem, neste caso, talvez o livro seja para você " - Patrick Rothfuss. 

Opinião:
  Patrick Rothfuss já deixa claro logo de cara que o conto A Música do Silêncio não iria agradar a todos. O conto não foi criado para ser bombástico como os dois primeiros livros de As Crônicas do Matador do Rei, foi feito para conhecermos mais a personagem carismática e misteriosa Auri, que mora debaixo da universidade escondida da maioria das pessoas. 
  A escrita excepcional do autor, quase poética, também está contida nesta obra. Quem não leu O Nome do Vento e o Temor do Sábio não aconselho a leitura deste conto, pois não irá aproveitar o que a obra tem a oferecer. Muitos não irão gostar de a Música do Silêncio, mas, fã que sou de As Crônicas do Matador do Rei e por achar muito interessante e cativante a  misteriosa Auri, achei sim muito bom este livro. 
  Não vou comentar nada sobre o conto, pois ele é muito curto e eu poderia contar mais do que deveria. Destaque para a capa que achei bem bacana. 

Minha nota: 9
  

Listas: Os Melhores Livros de Terror de 2014

   Por ter lido muitos ótimos livros de terror ano passado, a lista desta vez vai ser bem extensa. Segue a lista dos melhores livros de terror de 2014, em minha opinião, por ordem decrescente de preferência. 


20º - Fantasmas de Dean R. Koontz
 
  As primeiras cem páginas achei o máximo. Duas irmãs em uma cidade pequena que se encontra deserta, ao menos ninguém vivo aparentemente, e aí decidem entrar nas casas para verificar e encontram os moradores mortos. Fantasmas estaria várias posições acima se "quem" ou "o que" matasse os habitantes da cidade fosse outro "ser". Se o livro estivesse tomado outro rumo neste sentido eu teria gostado ainda mais da obra. Destaque negativo para esta capa horrível que não tem nada a ver com a história do livro. Com certeza muitas pessoas não adquiriram o livro por causa da capa.


19º - Hell House - A Casa Infernal de Richard Matheson
     Várias pessoas vão a mansão mal assombrada não para descobrir se há fantasmas no local, eles vão além, querem desvendar se existe vida após a morte. Destaque para a capa que achei bem macabra.


18º - Drácula de Bram Stoker
  Drácula possui uma boa história, e ainda um clima muito sombrio e macabro, gosto muito disso. Estaria algumas posições acima se o vilão não ficasse fugindo o tempo todo e se o romance contido no livro não fosse tão "meloso".


17º - O Mito de Cthulhu de Howard Phillips Lovecraft
  Lovecraft com seu horror cósmico explora muito bem o medo do desconhecido. Dos quatro contos apresentados, destaque para O Horror de Dunwich que é amedrontador.


16º - A Sentinela de Jeffrey Konvitz 
   Uma mulher se muda para um prédio e logo em seguida nota um senhor idoso em uma das janelas de um dos apartamentos e percebe que ele sempre fica olhando intensamente para a rua, todo dia a mesma rotina. Um ótimo clássico dos anos setenta, que contém ainda uma excelente história e uma escrita muito fluída, pena que é desconhecido de muitos.   


15º - Livros de Sangue 3 de Clive Barker
  Um livro pesado, contendo muitas cenas chocantes que somente Clive Barker poderia criar com sua imaginação sem limites. São quatro contos, com destaque para Cabeça Descarnada, um demônio que depois de séculos desperta e trucida todos que vê pela frente. Esta obra não agradará a todos, mas a alta qualidade dos contos é inegável.


14º - Carrie de Stephen King
  Carrie dispensa apresentações, pois quem não leu a obra viu o filme. Assisti a versão de 2002 e digo que achei boa, mas o livro achei ainda melhor. Este é um livro do King diferente da maioria que li, por ser curto, a escrita flui muito bem e tudo acontece muito rápido. O final achei muito bom. Daqui em diante muitos livros do King estarão na lista, o que posso fazer se gostei muito de todas as obras do autor que li até hoje.


13º - Misery de Stephen King
  Este é um livro que somente King poderia ter escrito com tanto êxito. O terror psicológico que a narrativa passa através da impotência do protagonista é surreal. A vilã, totalmente bipolar é excepcional. 
  Uma mulher sequestra seu escritor número um e o leva para casa, o deixando amarrado na cama sob condições deploráveis. Destaque para o motivo que Annie o sequestrou.


12º - O Cemitério de Stephen King
  Não espere muitas cenas de ação em O Cemitério, porém o livro é muito bem escrito e a história é intensa, profunda e ainda marcante, com personagens, que são poucos, mas bem descritos. O tema utilizado é muito bem explorado pelo King, e o final, mais um que achei ótimo.

11º - Tripulação de Esqueletos de Stephen King
  São vinte e dois contos de altíssimo nível em sua maioria, com destaque para O Nevoeiro, que tem um filme até bom; o criativo O Macaco, que acho um dos melhores contos que li até agora; O Atalho da Sra. Todd; O Processador de Palavras dos Deuses; e o excelente Vovó que vi comentários que vai ser lançado um filme baseado no conto. 


10º - Christine de Stephen King
  Quando comecei a adquirir livros do King, não quis logo de cara Christine, pois não achei a história de um carro assino muito interessante. Alguns meses se passaram, e eu já tinha lido vários livros do autor e gostado de todos, aí não resisti e acabei comprando este livro. King escreveu tão bem a obra, que a história que eu não tinha me interessado achei muito convincente e bem bacana. 


9º - A Noite dos Mortos Vivos de John Russo
  Um dos meus temas de livros e filmes favoritos desde sempre é sobre zumbi. Anos atrás vi o filme A Noite dos Mortos Vivos e achei ótimo, ainda mais levando em consideração que foi filmado nos anos sessenta. Sendo assim, quando foi lançado por aqui ano passado, vi que na capa continha a continuação da história e acabei comprando na pré-venda ainda. O livro foi melhor que eu esperava, com destaque para a ação contida a todo momento e os dois finais, pois geralmente aprecio quando são imprevisíveis.

8º - O Iluminado de Stephen King
  O Iluminado acredito eu ser a obra mais famosa e conhecida de Stephen King ao lado de Carrie. O garoto Dani Torrence, acho eu, um personagem extremamente carismático e que consegue transmitir ao leitor seu medo e sua impotência diante do que vem a enfrentar no livro. Um clássico do terror que agrada a maioria dos leitores.


7º - Salem de Stephen King
  Salem foi o meu primeiro contato com a literatura de terror. Fiquei tão vidrado após ser descoberto o que estava atacando as pessoas e desde então a narrativa toma um ritmo acelerado onde a ação não pára, e conclui com um final que gostei muito. Este é o livro que eu mais gostaria que o King criasse uma continuação. Fique tão empolgado com o gênero de terror após conhece-lo através desta obra, que desde então as portas se abriram para muitos outros.  


6º - O Exorcista de William Peter Blatty
   Quando eu tinhas meus treze anos emprestei da biblioteca da minha escola O Exorcista. Mas ao ler as primeiras passagens que a criança Regan de onze anos aparenta estar possuída pelo demônio,  fiquei com muito medo e parei a leitura. Por volta de dez anos depois vi o filme e gostei muito, porém, posteriormente ao ler o livro, o achei  ainda melhor. Com certeza O Exorcista estaria em primeiro lugar na lista se fosse avaliado o livro mais amedrontador do ano.


5º - Sombras da Noite de Stephen King
   Sombras da noite reúne vinte contos excelentes, não me recordo de não gostar de algum. Destaque para o As Crianças do Milharal, que foi produzida  a conhecida série de filmes Colheita Maldita baseada no conto; Eu Sou o Portal; Caminhões; Às Vezes Eles Voltam e  A Saideira, um conto com relação ao romance Salem.  


4º - Histórias Extraordinárias de Edgar Allan Poe
   Poe pode ser considerado o pai da literatura de Terror. Esta obra reúne vários contos que passa um clima tão sombrio que fiquei fascinado. Destaque para o tão aclamado O Gato Preto que está entre os melhores contos que alguma vez li.


3º - Battle Royale de Koushun Takami 
   Uma turma do nono ano é jogada em uma ilha para se matarem entre si, tendo que restar apenas um. Quando lançou Battle Royale nas livrarias brasileiras eu não me interessei. Meses depois li uma resenha da obra no blog Biblioteca do Terror e surgiu um grande interesse, e assim que pude adquiri o livro e o li. Não imaginei que iria gostar tanto da história. Contém ação do início ao fim, com uma escrita muito fluída e de fácil entendimento, e ainda conclui com um dos melhores finais que alguma vez li. 


2º - Os Mortos Vivos de Peter Straub

  Os Mortos Vivos é uma leitura complexa, com uma história excelente e personagens carismáticos. Mas o destaque mesmo vai para a escrita de Peter Straub, simplesmente perfeita. Esta é uma obra que não vejo defeito algum, somente não está no primeiro lugar porque o final não achei no nível do restante do livro, digamos que achei estranho e não ruim. Li em alguns blogs que Os Mortos Vivos provavelmente será a melhor história de fantasmas que existirá, e digo que é bem provável. Com certeza uma obra prima do terror.



1º - It: A Coisa de Stephen King


  Stephen King utilizou na obra a alternância da narrativa entre presente e passado, me mantendo sempre curioso e eu não queria largar o livro, sempre querendo ler um pouco mais. Destaque para os sete adolescentes protagonistas, que o autor os aprofundou de uma tal maneira que quando o livro acabou já senti saudades, e posteriormente foi ótimo reencontrar alguns deles em Novembro de 63. A história me agradou muito e o vilão é simplesmente um dos melhores e mais cruéis; e em relação ao final que muitos não gostaram, posso dizer que o último confronto com A Coisa não me agradou muito, mas o encerramento do livo achei até bom. 
  Com certeza uma obra prima espetacular, um dos melhores que alguma vez li.
   

quinta-feira, 26 de março de 2015

Resenha : Duas Vidas Por Um Fio de Janet Evanovich - livro 2



Sinopse:
   A caçadora de recompensa mais sexy e atrapalhada de Trenton, Nova Jersey, está de volta em Duas Vidas Por Um Fio. Desta vez, Stephanie Plum precisa seguir a trilha de Kenny Mancuso, um rapaz que desaparece do mapa depois de atirar em seu melhor amigo e enriquecer misteriosamente. Como serviço extra, ainda tem que investigar o sumiço de um carregamento de caixões comprados pela funerária local.

Opinião:
   A maioria dos livros que leio possuem um conteúdo denso e pesado, e muitos ainda são complexos, que exigem mais esforço do leitor. Duas Vidas Por Um Fio, que é o segundo de uma série contendo por volta vinte livros, é uma leitura leve e descontraída, com muito humor e cenas de ação.
  Com uma narrativa fluída e uma boa história, Janeth Evanovich cativa o leitor que procura dar muitas risadas, pois Stephanie Plum e sua família são uma verdadeira comédia. Mas não pensem que só de humor vive este livro, pois as investigações e caçadas que a protagonista tenta dar conta são muitas vezes perigosas e pessoas acabam morrendo.
   O romance do livro fica por conta de Stephanie e o policial Joe Morelli, que segundo a protagonista não o suporta, mas na verdade é caidinha por ele. Eu que geralmente não gosto de romances em livros, achei bem legal acompanhar a relação de amor e ódio desses dois.
  Para concluir, o livro possui um final muito satisfatório, e com certeza pretendo acompanhar os próximos volumes desta descontraída série, que por aqui já foram publicados por volta de seis livros. Lia há algum tempo o primeiro livro das aventuras de Stephanie, e posso dizer que o achei tão bom quanto este ou até melhor.

Minha nota: 9 
   
  

Listas: Os Melhores Livros de Fantasia de 2014

   Ano passado não li poucos livros de fantasia, devido minha empolgação maior com livros de terror. Este ano pretendo balancear mais as leituras, pois possuo ótimas opções dos demais gêneros. Segue a lista dos melhores livros de fantasia de 2014, em minha opinião, por ordem decrescente de preferência.


9 º - A Trama da Maldade de Clive Barker
   Mais um livro que quando foi traduzido por aqui o título mudou para pior, pois no original, Mundo da Trama tem muito mais a ver com a história. A Trama da Maldade é uma fantasia dark, com muitos elementos de terror, ou um livro de terror com elementos de fantasia... acho que entenderam; e ainda a trama é muito criativa e rica em detalhes. Sem dúvida um ótimo livro.


8º - O Hobbit de J.R.R. Tolkien
   O Hobbit é uma aventura muito agradável de se ler, possuindo ainda uma narrativa fluída e os cenários muito bem detalhados, facilitando assim a imersão na história. 


7º - Elantris de Brandon Sanderson
   Elantris é um livro de fantasia medieval com uma intriga política muito estruturada, contendo ainda diálogos inteligentes e uma narrativa muito fluída e envolvente. A magia criada pelo autor incutida na história achei fenomenal, de uma criatividade imensa. Este livro estaria em uma colocação melhor se o final da história não tivesse sido previsível, mas isto não significa que a conclusão não seja boa.


6º - Prince of Thorns de Mark Lawrence
   Com uma narrativa em primeira pessoa focalizada no anti-herói Jorg, este primeiro livro, de uma trilogia, flui de tal maneira que de  repente devoramos o livro todo e nem percebemos. Prince of Thorns é uma fantasia épica que me surpreendeu muito positivamente, pois tudo acontece muito rápido, e possui tantas mortes que parece que vemos sangue escorrendo pelas páginas do livro. 


5º - Coraline de Neil Gaiman
   Neil Gaiman construiu uma história muito criativa, inovadora e sombria, sendo ainda muito prazerosa de se ler. Em minha opinião, o maior motivo do sucesso da obra é a escrita do autor, que pra mim está no top três ao lado de Stephen King e Patrick Rothfuss.


4º - O Nome do Vento de Patrick Rothfuss
   Falando em Patrick Rothfuss, além de uma escrita quase poética e muito agradável de se ler, a história da fantasia épica O Nome do Vento, primeiro livro de uma trilogia, é excepcional. O único motivo de não estar uma posição acima é que a narrativa é lenta em grande parte obra, mas talvez seja o motivo que achei tudo tão crível.


3º - A Maldição de Alaizabel Cray de Chris Wooding
   A Maldição de Alaizabel Cray foi uma surpresa para mim, pois não achei que iria gostar tanto do livro. O autor criou uma fantasia dark com elementos de terror e policial, com uma história muito criativa e sombria que eu gostaria que fosse muito maior que suas pouco mais de trezentas páginas.
   

2º - O Temor do Sábio de Patrick Rothfuss
   O Temor do Sábio achei ainda melhor que o primeiro volume das Crônicas do Matador do Rei. Esta obra prima, segundo livro da trilogia épica, possui a narrativa  mais fluída e dinâmica, contendo mais ação, e uma maior evolução do protagonista. As duzentas últimas páginas foram para mim o que há de melhor no gênero da fantasia. O lançamento da conclusão das Cronicas do Matador do Rei está entre os livros mais aguardados da atualidade. Sensacional este livro.


1º - O Oceano no Fim do Caminho de Neil Gaiman 
   Não tenho palavras para descrever o quanto gostei deste livro. Sombrio, nostálgico, e uma história curta, que ao terminar a leitura eu gostaria que tivesse mais de mil páginas. A escrita de Neil Gaiman que já achei excepcional em Coraline, ao meu ver nesta obra o autor evoluiu ainda mais, não havendo  palavras desnecessárias. Destaque para os personagens que são muito bem desenvolvidos. 
    O Oceano no Fim do Caminho é um dos melhores livros que li em toda a minha vida, uma obra prima da literatura em minha opinião.      

quarta-feira, 25 de março de 2015

Resenha: Nosferatu de Joe Hill


"Joe Hill elabora uma batalha épica e crível entre mundos reais e imaginários, criando uma heroína que pode viajar de uma dimensão a outra. Nosferatu é um livro arrepiante e cheio de reviravoltas. Uma obra criativa, astuta, magnífica." - The New York Times

"Nosferatu explora brilhantemente fantasias obscuras clássicas e modernas, prendendo a atenção do leitor do início ao fim. Joe Hill é um mestre do terror." - Publishers Weekly

"Em a Estrada da Noite e o Pacto, Hill demonstra pistas de um repertório literário fenomenal. Nesta obra prima, todos os seus recursos foram colocados em prática. Ele é um autor insaciado por histórias e personagens, e Nosferatu é seu melhor livro." - Booklist

"Nosferatu é uma realização de peso e faz de Joe Hill um dos maiores expoentes - se não o maior - da nova geração de escritores de horror" - Washington Pos

Sinopse:
   Victoria McQueen tem um misterioso dom: por meio de uma ponte no bosque perto de sua casa, ela consegue chegar de bicicleta a qualquer lugar no mundo e encontrar coisas perdidas. Vic mantém segredo sobre essa sua estranha capacidade, pois sabe que ninguém acreditaria. Ela própria não entende muito bem. Charles Talent Manx também tem um dom especial. Seu Rolls-Royce lhe permite levar crianças para passear por vias ocultas que conduzem a um tenebroso parque de diversões: a Terra do Natal. A viagem pela autoestrada da perversa imaginação de Charlie transforma seus preciosos passageiros, deixando-os tão aterrorizantes quanto seu aparente benfeitor. E chega então o dia em que Vic sai atrás de encrenca... e acaba encontrando Charlie.

Opinião:
   Quando terminei a leitura de Nosferatu, percebi que Joe Hill o escreveu para ser um fenômeno mundial, do nível de It: A Coisa, por exemplo. A grande maioria das resenhas que li enalteciam o livro como sendo uma nova obra prima do gênero, e inúmeras outros elogios grandiosos. Respeito muito a opinião de todos, e entendo a razão de elogiarem tanto o livro, pois ele realmente é muito bom,  mas confesso que não gostei de Nosferatu a ponto de achar um dos melhores livros de terror do novo século. Mas aí eu paro para pensar e tento citar os "defeitos" do livro, e sabem que eu não encontro quase nenhum ?. Excetuando que achei a história pouco crível, e o vilão Charles Talent Manx não ter me convencido; a narrativa fluiu muito bem, contendo muitas cenas de ação e tensão, e a protagonista Vic efetuar a travessia de uma ponte para qualquer lugar do mundo com uma bicicleta achei o máximo. Contem também muitas referências bem legais, e ainda uma história muito criativa e original, que Hill conectou com o universo do King e criou o seu próprio mundo unindo Nosferatu com seus livros anteriores A Estrada da Noite e o Pacto.
   Nosferatu não me cativou, porém agradou a maioria dos leitores, sendo assim chego a conclusão que a exceção sou eu, pois a obra é no mínimo um ótimo livro.
  
Minha nota: 9

terça-feira, 24 de março de 2015

Listas: Os Melhores Livros de Terror Nacional de 2014


   Ano passado li setenta e dois livros e muitos deles achei espetacular, e como inaugurei o blog há dois dias apenas, e iniciei fazendo as resenhas dos livros que li do começo deste ano em diante, resolvi fazer cinco listas contendo os melhores livros que li ano passado, incluindo os gêneros Terror, Suspense Policial, Fantasia e Ficção Científica, começando com os livros de Terror Nacional, que achei muito difícil fazer a lista em ordem de preferência, sendo assim resolvi colocar os livros por ordem de leitura.


Branca dos Mortos e os Sete Zumbis e Outros Contos Macabros de Fábio Yabu
   Yabu recria doze contos infantis, incutindo vários elementos de filmes e literatura de terror, e ainda contém no livro inúmeras ilustrações sombrias. Mas se engana quem pensa que é um livro infantil. Destaque para o conto "Os Três Lobinhos" e "Samarapunzel", e a capa sinistra que achei que demonstra muito bem o clima sombrio dos contos.


Sombras do Castelo de Oscar Mendes Filho
   Oscar Mendes Filho usa como local de sua obra o Castelo da Rua Apa da cidade de São Paulo, onde um fato verídico em 12 de maio de 1937 ocorreu um tiroteio que se deu em três mortos, uma mãe e seus dois filhos. Hoje em dia o Castelo se encontra abandonado. 
 No livro, um homem ao viajar para a cidade de São Paulo, acaba visitando inesperadamente o Castelo da Rua Apa, onde se vê em momentos de tensão, medo e angústia.


Waverly Hills - Onde Reside o Mal de Oscar Mendes Filho
   Novamente Oscar Mendes Filho narra sua obra em um local real e macabro. Este livro se passa no Sanatório Waverly Hills, localizado na cidade de Louisville, estado de Kentucky (EUA), que foi inaugurado em 1910 para tratar de pacientes vítimas de tuberculose. O sanatório fechou em 1962, e deste então obtém a fama de ser um dos locais mais assombrados da América. 
   O livro narra a história de várias pessoas que adentram no hospital, a fim de gravarem possíveis sons e aparições no local. Conforme a noite avança, os protagonistas percebem que não será tão fácil saírem do sanatório. 
   Quando li este livro me lembrei do primeiro filme de A Bruxa de Blair, em razão de os protagonistas gravarem os acontecimentos. A título de curiosidade, o sanatório teve como foco um episódio da primeira temporada da série Sobrenatural.


Sete Ossos e Uma Maldição de Rosa Amanda Strausz
   Rosa Amanda Strausz criou um livro contendo dez contos criativos, macabros e bem escritos. Destaque para o conto "A Procissão", que tem como tema se existe vida após a morte,  e "Crianças à Venda. Tratar Aqui", que conta a história de uma mãe que necessita vender os filhos para se manter. 


A Rua do Terror de Júlio Emílio Braz
   São sete contos de Júlio Emílio Braz, com uma escrita fluída e histórias muito interessantes, que se passam na Rua Alfabeto, com destaque para "Coraçãozinho Verde das Estrelas", que conta sobre um bicho que fica escondido na floresta à espera de alguém para atacar.


   Relatei no começo da postagem que eu não iria rankear os livros por causa dos motivos citados acima, mas pra não ficar em cima do muro vou tentar eleger meu preferido dentre eles.
  Gostei muito dos livros Sombras do Castelo e Waverly Hills, que por se tratarem de lugares reais que se passam as narrativas, dão um tom de realismo maior a obra, mas minha preferência dentre os livros fica com A Rua do Terror e Sete Ossos e uma Maldição por conterem mais histórias, portanto indo neste raciocínio, o melhor livro nacional que li em minha opinião em 2014 foi Sete Ossos e Uma Maldição.

segunda-feira, 23 de março de 2015

Resenha: O Pacto de Joe Hill


"O Pacto é uma história muito bem elaborada e com grandes méritos intelectuais. Este livro não apenas diverte o leitor, como também o desafia a refletir" - The New York Times

Sinopse:
   Ignatius Perrish sempre foi um homem bom. Tinha uma família unida e privilegiada, um irmão que era seu grande companheiro, um amigo inseparável e, muito cedo, conheceu Merrin, o amor de sua vida. Até que uma tragédia põe fim a toda essa felicidade: Merrin é estuprada e morta e ele passa a ser o principal suspeito. Embora não haja evidências que o incriminem, também não há nada que prove sua inocência. Todos na cidade acreditam que ele é um monstro. Um ano depois, Ig acorda de uma bebedeira com uma dor de cabeça infernal e chifres crescendo em suas têmporas. Descobre também algo assustador: ao vê-lo, as pessoas não reagem com espanto e horror, como seria de esperar. Em vez disso, entram numa espécie de transe e revelam seus pecados mais inconfessáveis.

Opinião:
   Faz tempo que eu queria ler um livro do Joe Hill, filho de Stephen King, o qual sou fã, que segundo andei pesquisando, o filho do mestre não quis o sobrenome do pai em seus livros, pois ele queria ter uma carreira de sucesso por seu próprio talento. Admiro muito o rapaz por esse pensamento. Ano passado li o muito bom A Estrada da Noite, e digo que o Pacto é o melhor livro do Joe Hill em minha opinião, melhor ainda que o preferido de muitos, Nosferatu, que já li e será o tema de uma das   próximas resenhas aqui do blog.
   Gostei muito da trama inovadora de O Pacto, no original, Chifres, que tem muito mais a ver com a história, e não sei porque essa mania de mudar o título original por aqui (geralmente para pior). Por ter crescido chifres em Ig, achei muito impactante a sua própria família revelar o que pensam dele que nunca diriam sem estar em uma espécie de "hipnotismo", que pra mim foram os melhores momentos do livro.
   Um livro contendo bons personagens, diálogos com humor negro e irônicos, e ainda um tema profundo, intenso e impactante, e concluindo em um excelente final, O Pacto é um ótimo livro que por pouco não dou nota máxima.

Minha nota: 9

Resenha: O Sono Eterno de Raymond Chandler - livro 1


Sinopse:
   Philip Marlowe, um detetive particular, recebe uma tarefa do general aposentado Sternwood para ir atrás de um homem que o está chantageando, e ainda o detetive percebe que o general quer descobrir o paradeiro do marido de sua filha Vivian, Rusty Regan, um traficante de bebidas que desaparece de repente. As investigações de Marlowe se dá no submundo do crime na Califórnia, onde é obrigado a lidar com marginais barra pesada.

Opinião:
   Raymond Chandler foi um dos pioneiros do gênero policial noir, sendo seu primeiro romance O Sono Eterno, publicado no final da década de trinta, onde foi apresentado seu protagonista carismático Philip Marlowe, que não faz deduções surpreendentes para solucionar os crimes, e não tem a elegância de investigadores clássicos, e sim, resolve seu casos na porrada e no tiro, e ainda com um linguajar ríspido e irônico, tudo isso torna o livro com uma narrativa muito convincente e agradável de se ler.
   Este foi meu primeiro e único policial noir que li até agora, e digo que gostei muito do estilo carismático de Marlowe. Esta obra é a primeira de uma série deste detetive, e com certeza lerei os próximos e outros livros do gênero.
   Não vou revelar mais nada da trama para não acabar soltando algum spoiler, pois acho que a sinopse já diz o suficiente. Pra quem quer conhecer um livro policial diferente dos de Donato Carrisi e Michael Connelly por exemplo, recomendo o ótimo O Sono Eterno.

Minha nota: 9

domingo, 22 de março de 2015

Resenha: O Senhor dos Aneis - A Sociedade do Anel de J. R. R. Tolkien - livro 1


Sinope:
   Numa cidadezinha indolente do Condado, um jovem hobbit, Frodo Bolseiro, é encarregado de uma imensa tarefa. Deve empreender uma perigosa viagem através da Terra-média até as Fendas da Perdição, e lá destruir o Anel do Poder - a única coisa que impede o domínio maléfico do Senhor do escuro.

Opinião:
   O livro tem início na festa de aniversário de Bilbo Bolseiro, que deixa seu sobrinho Frodo como portador do Anel, e que após o "desaparecimento" de Bilbo, Frodo sai em viagem através da Terra Média com seus amigos Sam, Merry e Pippin em direção a Mordor para destruir o Um Anel, e no caminho eles tem que fugir dos implacáveis Cavaleiros Negros a mando do Senhor do Escuro, Sauron. O livro todo é basicamente isto que acontece, não havendo um final conclusivo, pois terá no término do terceiro livro da saga.
   Ano passado li primeiramente o Hobbit, e confesso que gostei mais que este primeiro livro da trilogia do Anel. A escrita de O Hobbit é mais fluída, com um dinamismo maior, possuindo mais acontecimentos e aventuras. A Sociedade do Anel é uma escrita mais lenta, e poucas aventuras, mas isso se deve que O Hobbit é apenas um único livro e O Senhor dos Aneis são três, explicando assim o porque da narrativa ser mais lenta no início das aventuras de Frodo.
   Em relação aos personagens, destaque para o mago Gandalf, o Cinzento, o melhor personagem em minha opinião, e Aragorn, conhecido por Passolargo, que ajuda os heróis na jornada.
   O livro é ótimo, com uma narrativa lenta mas gostosa de se ler, contendo uma boa história, cenários muito bem descritos e ainda várias canções que dão um alto realismo na mitologia da saga.

Minha nota: 9
 
Três Anéis para os Reis-Elfos sob este céu,
  Sete para os Senhores-Anões em seus rochosos corredores,
Nove para os Homens Mortais, fadados ao eterno sono,
  Um para o Senhor do Escuro em seu escuro trono
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam.
  Um Anel para a todos governar; Um Anel para encontrá-los,
  Um Anel para a todos trazer e na escuridão aprisioná-los
Na Terra de Mordor onde as Sombras se deitam.

Resenha: O Tribunal das Almas de Donato Carrisi


"Um thriller complexo e perfeito" - Corriere Della Sera



Sinopse:

   Marcus é um homem sem passado. A sua especialidade: analisar as cenas de crime para reconhecer o Mal nos pequenos detalhes e solucionar homicídios aparentemente perfeitos. Há um ano, foi gravemente ferido e perdeu a memória. Hoje, é o único que poderá salvar uma jovem desaparecida. Este peculiar investigador enfrenta, porém, um desafio ainda maior: alguém está a usar o arquivo criminal da Igreja para revelar a verdade sobre crimes nunca oficialmente resolvidos. Assassinos são colocados perante os familiares das vítimas. Será, passado tanto tempo, saciado o desejo de vingança ? Passarão os inocentes a culpados ? Ou será, finalmente, feita a justiça ?

Opinião:
   Em se tratando de livros policiais, Donato Carrisi é o cara. Ano passado li seu genial e espetacular O Aliciador, que até hoje é o melhor livro do gênero que alguma vez li. O Tribunal das Almas não fica atrás; com uma trama intrincada e complexa a ponto de que é necessário ler devagar e as vezes voltar à algumas passagens, pois caso contrário não irá compreender algo importante. Foi pra mim uma leitura lenta por possuir muitos detalhes importantes, mas tão instigante quanto um thriller de Harlan Coben. Muitos livros policiais não vemos a hora de chegar ao final, mas com O Tribunal das Almas é o contrário, o livro todo é muito bom e quase a todo o momento tem algo revelado para o leitor, tudo muito convincente e bem escrito.
   Geralmente não gosto da inclusão de religião em livros, mas neste o autor explora alguns segredos do Vaticano e da Igreja Católica que achei bem interessantes.
  São várias estórias paralelas que apresentam uma conexão fantástica em um final convincente e excelente. Acho que a sinopse já revelou o suficiente, pois quanto menos sabemos do desenrolar da estória dos livros policiais melhor. Recomendo a todos esta obra prima do gênero, um livro que pede um esforço maior do leitor e muita atenção a cada página, pois muitas surpresas virão. Nota máxima para o espetacular O Tribunal das Almas.

Minha nota: 10 - Favoritado
   

sábado, 21 de março de 2015

Resenha: A Maldição de Long Lankin de Lindsey Barraclough


"O terror é tão implacável quanto a música folclórica em que se inspirou" - The Observer

"Com uma atmosfera de tensão capaz de deixar qualquer um de cabelos em pé, a Maldição de Long Lankin se passa numa época em que o folclore facilmente se torna realidade. Um bom livro de terror para leitores mais sofisticados." - Kirkus Reviews

"É de arrepiar. Uma sensação de ameaça constante permeia o livro, e dá para sentir o frio e a umidade de alguns lugares, como a igreja." - The BookBag


Sinopse:

   Quando Cora e sua irmãzinha, Mimi, são enviadas para a casa da sua tia-avó, no isolado vilarejo de Bryers Guerdon, não recebem calorosas boas vindas e ficam desesperadas para voltar para Londres. A vida de tia Ida foi devastada da última vez que duas meninas estiveram em Guerdon Hall, e agora a chegada das sobrinhas-netas desperta um mal que permanecia à espreita havia anos.

Opinião:
   A Maldição de Long Lankin é o livro de estréia de Lindsey Barraclough. Uma estória sombria, muito bem escrita, com mistérios que vão sendo desvendados ao poucos conforme a estória avança. A autora criou um ótimo livro com base em uma lenda escocesa.
   Cora, Mimi e Roger, os protagonistas,  por serem crianças são as vítimas preferidas de Lankin, e acho que pela idade que elas possuem, o livro se torna mais tenso e arrepiante.
   A narrativa alterna entre Cora, Roger e as vezes Tia Ida se torna a narradora, sendo quando muitos mistérios são revelados.
   Os lugares que se passam os acontecimentos são muito sombrios, a casa de Tia Ida, um pântano com um nevoeiro denso, uma Igreja desconsagrada que os abitantes da pequena cidade evitam, e ainda um cemitério amaldiçoado que muitas pessoas tiveram visões de crianças mortas.
   Um livro que no início pode parecer para o público adolescente, mas não se enganem que até adultos que leram O Exorcista não estão livres de sustos e calafrios. Destaque também para a capa, que conseguiu passar o clima sombrio da estória. Recomendo este ótimo livro.

Minha nota: 9

A Canção de Long Lankin 

Disse meu lorde a milady, ao seu cavalo montar:
"Cuidado com Long Lankin que no musgo costuma morar.
Disse meu lorde a milady, ao se afastar:

"Cuidado com Long Lankin que no feno costuma morar."
"Deixe todas as portas aferrolhadas e janelas trancadas,
Cuide para nem um buraco deixar, no qual um rato possa se esgueirar."

As portas foram todas aferrolhadas e as janelas trancadas,
Exceto uma janelinha, por onde Long Lankin tratou de entrar.
"Onde está o dono da casa ?", perguntou Long Lankin.

"Viajou para Londres", respondeu a falsa ama-seca.
"Onde está o herdeiro da casa ?", perguntou Long Lankin.

"Adormecido no berço", respondeu a falsa ama-seca.
"Vamos furá-lo todinho com um alfinete".
Então ele furou...

E a ama-seca segurou a bacia para o sangue recolher.

Resenha: Toda a Verdade de David Baldacci - livro 1

Sinopse:
   Shaw trabralha para uma agência secreta de inteligência e sua vida se resume a viajar pelo mundo à caça de bandidos perigosos. Abandonado ainda bebê, sem laços afetivos e nem mesmo um nome próprio, ele nunca se importou com o fato de não saber se chegaria vivo ao fim do dia. Até agora. Envolvido com a Alemã Anna Fischer, especialista em assuntos internacionais que trabalha para o Phoenix Group, em Londres, tudo o que Shaw quer é deixar essa vida para trás e se estabelecer tranquilamente ao lado da mulher que ama. Mas seus planos estão prestes a ser frustados. Ao ver seus lucros diminuírem a cada mês, Nicholas Creel, dono da maior fornecedora de armamento militar do mundo , decide que é hora de provocar  uma guerra. Para isso, contrata um especialista em manipular fatos e "criar a verdade".

Opinião:
   Toda a Verdade é o primeiro livro de David Baldacci que leio. Um livro eletrizante, com uma narrativa muito fluída, e que prende o leitor do começo ao fim. O autor criou uma estória excelente que não cai o ritmo em momento algum. Destaque para o bom protagonista, Shaw, e um vilão melhor ainda, Nicholas Crel (geralmente acho os vilões os melhores personagens rsrs). Achei muito criativa esta ideia de ser criada uma guerra manipulando a verdade, sendo que o objetivo de Nicholas Crel é na verdade reproduzir a guerra fria e ainda criar sua própria conspiração.
   O romance do livro é focado basicamente em Shaw e Anna, que pretendem se casar, mas Shaw está tendo dificuldades para conseguir a aposentadoria.
   Contendo ainda um ótimo final, Toda a Verdade é indispensável para todos que curtem o gênero, e somente não dou nota máxima porque achei algumas cenas pouco críveis comparadas a outros livros policiais que li. O segundo volume da série de Shaw, Livrai-nos do Mal, já foi traduzido por aqui e estou ansioso pra lê-lo.

Minha nota: 9 
  

Resenha: Sob a Redoma de Stephen King


"Apurado e vigoroso desde o início. Difícil de deixar de lado." - New York Times

"Sob a Redoma se move com tanta rapidez e prende o leitor tão absolutamente que o deixa quase paralisado." - Newsday

"Propulsivamente intrigante . Surpreendentemente viciante." Usa Today

Sinopse: 
   Assim que a pequena cidade de Chester's Mill se vê envolta por um misterioso campo de força, os moradores percebem que terão de lutar por sua sobrevivência. Pessoas morrem e são separadas de suas famílias com a repentina aparição da redoma. A situação fica ainda mais grave quanto são expostas às consequências ecológicas da barreira e às maquinações de James "Big Jim" Rennie, um político dissimulado que usa a redoma como um meio de dominar a cidade. No entanto, o principal adversário dos moradores é a própria redoma, pois ninguém entra e ninguém sai da cidade. Encerradas ali, sem possibilidade de escapar, as pessoas serão obrigadas a enfrentar seus medos e impulsos, e darão voz a seus instintos mais primordiais.

Opinião:
   Sob a Redoma é um livro imenso como muitos do King, e por possuir suas quase mil páginas, muitos leitores podem achar que é um livro massante e com muita enrolação, sendo assim recusado por muitos; mas digo que este livro é muito dinâmico, crível, contendo muitas mortes, e que possui um vilão, Big Jim, que com seu poder político ele tenta manipular o maior número de pessoas para alcançar seu maior objetivo, que é dominar a cidade. Big Jim  muita vezes utiliza da religião para persuadir as pessoas, dizendo que os atos dele são conforme a vontade de Deus, e ainda distorce a verdade; enfim o cara é muito mau.
    Acho que ninguém descreve tão bem seus personagens como King escreve, sendo que o fato de a redoma estar em volta de Cherter's Mill fica em segundo plano, pois o conflito entre os personagens, que são muitos, é prazeroso demais de se ler. Dale Bárbara com a ajuda de alguns adultos e crianças tentam impedir o controle da cidade de cair totalmente nas mãos de Big Jim, ao mesmo tempo que tentam desvendar o porque de a redoma estar em torno da cidade e também alguma maneira de destruí la.
   Um livro eletrizante, com personagens que somente King conseguiria descrever de tão complexos, humanos e críveis, com destaque para o ótimo vilão James Rennie. Os finais de King geralmente são criticados, mas digo que gostei do final de Sob a Redoma, achei bem criativa a explicação de como foi parar uma redoma em volta da cidade, mas acho que não irá agradar a todos. Finalizo esta curta resenha, que devem ter percebido não contou quase nada sobre o livro, pois quis evitar spoilers. Nota máxima para este excelente livro.

Minha nota: 10
 
 

Iniciando...

   Me chamo Maurilei, tenho 29 anos, gosto muito de livros preferencialmente do gênero terror, policial, fantasia e ficção científica. Não escrevo tão bem como o Rafa do Biblioteca do Terror  e a portuguesa Vera do Menina dos Policiais, e tão pouco entendo tanto de literatura quanto a equipe do vlog Cabine Literária, mas estou aqui, como teimoso que sou, inaugurando o Bom Livro.